Tráfico de fauna na África: lançado plano de ações

Dimas Marques
  • Dimas Marques

    Editor-chefe

    Formado em Jornalismo e Letras, ambos os cursos pela Universidade de São Paulo. Concluiu o curso de pós-graduação lato sensu “Meio Ambiente e Sociedade” na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo com uma monografia sobre o tráfico de fauna no Brasil. É mestre em Ciências pelo Diversitas – Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, onde pesquisou a cobertura do tráfico de animais silvestres por jornais de grande circulação brasileiros. Atua na imprensa desde 1991 e escreve sobre fauna silvestre desde 2001.

    Fauna News
04 de junho de 2013
“O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e a organização ambientalista WWF lançaram esta quinta-feira um plano de acção para travar o tráfico ilegal de animais selvagens, uma actividade que, de acordo com as organizações, vale 8000 a 10.000 milhões de dólares por ano (6100 a 7700 milhões de euros).

Marfim apreendido na África que foi incinerado
Foto: Tony Karumba/AFP

As duas organizações fizeram um apelo para que governos e outras instituições tomem medidas concretas para combater o problema, que se tem acentuado nos últimos anos em África. Um plano de acção com dez pontos defende a colaboração mútua entre os países, o reforço da aplicação da legislação existente, a penalização dos infractores e a redução da procura de produtos derivados de espécies selvagens.

Entre as medidas, está um maior investimento em recursos humanos e técnicos, criando-se por exemplo brigadas especializadas na identificação do tráfico ilegal e o reforço dos sistemas judiciais.” – texto da matéria “Banco de Desenvolvimento Africano e WWF criam plataforma contra o tráfico de animais” publicada em 31 de maio de 2013 pelo site português Público

Na África, tem chamado atenção a matança de elefantes pelo marfim e de rinocerontes pelo chifre usado em países da Ásia como remédio. Mas inúmeras de outras espécies também são alvo dos traficantes.

Rinoceronte morto para retirada do chifre
Foto: Troy Otto

O financiamento de movimentos armados e guerrilhas em diversos países africanos por meio do comércio ilegal de animais e suas partes também têm preocupado autoridades e ambientalistas. Além disso, a redução da vida selvagem tem afastado os turistas de muitas regiões, o que causa um problema para várias nações que têm nessa atividade uma fonte de renda considerável.

Uma das principais ações do plano é promover o reforço em legislação. Em todo mundo, incluindo o Brasil, as punições legais previstas para traficantes de animais e suas partes são brandas. Sem leis fortes e realmente punitivas não há como combater o crime organizado.

– Leia a matéria completa do Público
– Leia a Declaração de Marraqueche, documento que contém o plano com as 10 ações

Fauna News

Sobre o autor / Dimas Marques

Formado em Jornalismo e Letras, ambos os cursos pela Universidade de São Paulo. Concluiu o curso de pós-graduação lato sensu “Meio Ambiente e Sociedade” na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo com uma monografia sobre o tráfico de fauna no Brasil. É mestre em Ciências pelo Diversitas – Núcleo de Estudos das […]

Newsletter do Fauna

Resumo semanal do que foi notícia no
universo dos animais silvestres.

Busca

Fauna ZAP
1
Olá! Eu quero receber as notícias do Fauna News. 😃 🐾